Passaportes e vistos: balanço e novidades

Parte integrante do quotidiano de quem viaja em negócios, quais são as últimas novidades quanto a estas chaves-mestras das viagens?

< Regressar ao blogue Travel Style
Indispensáveis para se viajar e aceder a todas as regiões do mundo, o passaporte e os vistos nunca abandonam a bagagem de quem viaja em negócios. Passaporte biométrico, visto on-line ou temático, Brexit… Faz-se o ponto da situação quanto às novidades em torno destes “abre-te Sésamo”. 

Aprovado por 81% dos viajantes de negócios contra 75% no turismo de lazer, o controlo biométrico contribuiu amplamente para descongestionar a passagem dos aeroportos graças aos passaportes eletrónicos implementados há quinze anos. Juntamente com os dispositivos automatizados – terminais de check-in ou de entrega de bagagens – estas “chaves-mestras” permitem que os viajantes reduzam o seu tempo de espera aos balcões em 30%. A clientela business, muitas vezes apressada e que detesta filas de espera, tem também acesso a serviços expressos de controlo de fronteiras como o PARAFE (Passage Automatisé Rapide des Frontières Extérieures - Passagem Rápida de Fronteiras Externas) em França.

Passaportes de nova geração

De acordo com a empresa de segurança digital Gemalto – escolhida no ano passado pelo Reino Unido para o fornecimento de passaportes eletrónicos aos seus cidadãos – uma das principais tendências nos documentos de viagem para 2017-2020 é terem as páginas de dados em policarbonato inviolável. Trata-se de uma camada sobreposta à página dos dados pessoais que contém um código. Quando se tenta substituir a fotografia do passaporte, esse código deixa de aparecer. Isso reduz significativamente os riscos de fraude. Outra grande tendência: o armazenamento dos dados do passaporte eletrónico num smartphone, que pode vir a revolucionar o dia-a-dia do viajante profissional. 

Top 10 dos melhores “abre-te Sésamo”

Mas, em função da sua origem, nem todos os passaportes nascem iguais. Há alguns que abrem mais facilmente as fronteiras dos países, que se obtêm com menos trâmites administrativos ou que têm taxas menos dispendiosas. O estudo Nomad Passport Index, realizado pela empresa de consultoria Nomad Capitalist, realizou uma classificação para 2018 dos melhores passaportes do mundo. E os resultados? Os luxemburgueses têm a melhor chave-mestra, com 177 países onde podem ir sem visto, seguidos pelos irlandeses, suíços, portugueses e suecos. Neste top 5 (1) não se encontra qualquer dos grandes destinos business, como o Reino Unido, a China, a Rússia ou os Estados Unidos. Infelizmente, quanto a esses países, nem sempre os trâmites são simples, sobretudo para estadias mais longas. 

Vistos, diligências necessárias

Indispensáveis para determinados países e para estadias mais longas, os vistos representam um ónus administrativo adicional para quem viaja em negócios e para quem se encarrega das viagens. Há determinados países que tentam facilitar esse processo através de diligências on-line ou de autorizações eletrónicas como a ESTA para entrada nos Estados Unidos, a eVisitor para a Austrália ou a ETA para o Sri Lanka. Há outros que criam vistos temáticos em função do seu projeto económico e/ou político. A França, por exemplo, emite o Visa French Tech (ativo em abril de 2019) para atrair para o seu território, ao simplificar a tramitação, talentos empresariais inovadores (e não apenas ligados às tecnologias) com sede no estrangeiro. Para enfrentar a quebra da natalidade e as suas carências de mão-de-obra, o Japão acaba de aprovar uma lei, a vigorar a partir de abril de 2019, no sentido da criação de novos vistos que permitem a permanência no seu território por cinco anos aos trabalhadores estrangeiros. 

E quanto ao Brexit?

Quando Londres(2) permanece, segundo a BCD Travel, o principal destino europeu de viagens corporate, o que é que poderá mudar com a futura saída do Reino Unido da União Europeia? Até à assinatura do acordo final, os cidadãos britânicos poderão circular sem visto pelo prazo de 3 meses no seio do espaço Schengen, a que se juntam outros países como a Suíça, a Islândia, a Noruega, etc.. Pela regra da reciprocidade, os cidadãos desses países ficarão também isentos de visto para se deslocarem ao Reino Unido.

(1) Continuação do Top 10: italianos, espanhóis, finlandeses, dinamarqueses e alemães. No fim da lista: Líbia, Iémen, Eritreia, Iraque e Afeganistão.

(2) À cidade de Londres seguem-se, na Europa, as de Viena, Amesterdão, Zurique e Paris. A nível mundial, Nova Iorque ocupa o primeiro lugar, seguida de Xangai e do Dubai.  

Publicado por Thi bao a 18/06/2019 Copyright : © FatCamera

ISTO PODE TAMBÉM INTERESSAR-LHE:

Qual é o seu perfil de viajante de negócios?

Fratura geracional e diversidade de perfis são fatores que geram necessidades muito diferentes. Seguem algumas pistas para identificá-los?

As novas formas de pagamento que simplificam as viagens

E se você usasse as últimas ferramentas digitais para pagar as suas despesas durante as suas deslocações profissionais?

Biometria e viagens de negócios

Descubra como a biometria pode mudar as viagens de negócios e simplificá-las

< Regressar ao blogue Travel Style